Game de tiro ‘Crysis’ ganha vida nova com pacote ‘Warhead’

Ir em baixo

Game de tiro ‘Crysis’ ganha vida nova com pacote ‘Warhead’

Mensagem por Bruno em Qui Jan 29, 2009 2:58 pm


Expansão revê briga de americanos, coreanos e aliens em paraíso tropical.
Por R$ 59,90, jogo de PC é escolha certeira para o final do ano.




Foto: Arte/G1



Veja a ficha completa de 'Crysis warhead'
(Foto: Arte/G1)







“Eu sou britânico, seu idiota”, diz o agente Psycho Sykes em um
dos primeiros momentos marcantes de “Crysis warhead”. A frase do
novo (anti) herói serve tanto para corrigir seus inimigos
norte-coreanos quanto para ilustrar as mudanças que o pacote de
expansão traz para o jogo de tiro lançado em 2007. O que já era
bom ficou melhor: liberdade de ação no campo de batalha,
conflito final em clima cinematográfico e cenários paradisíacos
– sejam eles congelados ou não.

Até o humor nos diálogos, teoricamente sérios, foi
renovado. Psycho é um oficial rebelde e teimoso, que contrasta
com o perfil “CDF” do aplicado Nomad, herói do primeiro jogo.
Agora, afinal, nós somos britânicos.

“Crysis warhead” mantém os fundamentos do primeiro
jogo, mas mostra melhorias consideráveis. Você comanda o agente
Psycho Sykes, um dos coadjuvantes no jogo de 2007, que segue
equipado com a nanosuit, armadura que permite turbinar
características como força e velocidade e ainda ficar invisível.
Talvez por ser um jogo mais curto, com uma campanha de cerca de
7 horas, “Warhead” tem um ritmo mais intenso que o jogo
anterior, com uma construção de fases envolvente.

A história é a mesma do primeiro jogo, mas contada
sob a ótica de um novo personagem. Forças especiais
norte-americanas entram em confronto com a Coréia do Norte em
uma ilha no mar das Filipinas. No meio do caminho surgem os
alienígenas e seus planos de congelar a natureza exuberante com
temperaturas de cerca de 130 graus negativos.







Videogame é vida: no mundo real você ainda encontra
um cenário assim? (Foto: Divulgação)








“Warhead” é exclusivo para PCs e chega às lojas
brasileiras por R$ 59,90. Apesar de ser um pacote de expansão,
ele não exige a instalação de “Crysis” e vem acompanhado de
“Crysis Wars”, que traz novas opções e acrescenta 21 mapas às
disputas multiplayer (modo on-line para diversos jogadores).
Para quem acompanha os jogos de tiro, é um título que surge como
um alívio. A produtora Crytek ouviu as reclamações, melhorou o
que era possível e mostra que continua sendo uma das principais
do gênero.



Confira vídeos e imagens de ‘Crysis warhead’





GLB.common.flash({
color: '', wmode: 'transparent',
width: 600 ,
height: 400 ,
swf: '/FlashShow/0,,18645,00.swf' ,
id: 18645
});







Não siga o modelo


“Crysis” trazia um imenso mundo aberto e dava ao
jogador uma “máquina de guerra” com a qual explorar esse campo
de batalha. Mas o ritmo irregular que enfraquecia alguns trechos
do primeiro jogo ficou para trás em “Warhead”.

A chegada dos aliens e das “fases de gelo”
aparecem bem cedo no jogo, o que dá força ao roteiro e consegue
prender a atenção do jogador. Os mesmos alienígenas que
protagonizavam a “parte chata” do primeiro jogo, agora cumprem
um papel mais autêntico: são assustadores e onipresentes – mas
nada que um lança-foguetes não resolva.

“Warhead” equilibra trechos de ação com observação
estratégica de modo a permitir que você seja o dono da guerra ao
mesmo tempo em que é surpreendido pelo cenário e pelos inimigos.
É possível cumprir objetivos adotando diferentes estilos – desde
o “Rambo”, atirando e explodindo tudo, até o “stealth”,
infiltrando sem causar alarde.






Efeitos de foco e distorção tentam enganar, mas a
verdade é que existe um coreano criminoso lá no fundo
(Foto: Divulgação)









As novidades “numeradas” que mais se destacam são
uma nova arma de plasma, disponível pouco antes do confronto
final, e uma nova espécie de alienígena – que não deve dar muito
trabalho. Além, é claro, dos 21 novos mapas para jogos on-line
presentes no pacote “Crysis wars”.



Quase no paraíso



“Warhead” conta a mesma história do jogo original,
mas sob o ponto de vista de um outro personagem (Psycho). Isso
significa que você terá algumas surpresas pelo caminho e
conseguirá retomar fatos que não estavam muito claros. Por outro
lado, certos momentos e trechos dos cenários podem parecer
familiares demais.








Aquecimento global vira lenda com a chegada dos
aliens em ‘Crysis warhead’ (Foto: Divulgação)









O espetáculo visual de “Crysis” sofreu leves
melhorias em “Warhead”. Faíscas, luzes, sombras e detalhes da
vegetação “viva” do jogo ganharam mais detalhes. Ainda é
necessário um computador potente para aproveitar esses recursos
no nível máximo. A produtora Crytek anunciou que “Warhead” foi
otimizado e, portanto, rodaria melhor que “Crysis”. Nos testes
do G1, porém, um computador que supera a configuração mínima
exigida ainda enfrentou queda de quadros por segundo (FPS) em
determinados momentos.

“Warhead” é um jogo fundamental no gênero de tiro
em primeira pessoa. O que já era bom em “Crysis” ficou melhor –
e vai continuar melhorando quanto mais potente for seu computador.






O coração parou, congelado, há três horas, mas pelo
menos a metralhadora continua funcionando (Foto: Divulgação)










Configuração mínima recomendada pelo fabricante:

Processador Pentium 4 2,8 GHz ou Athlon 2800 + (3,2 GHz no
Windows Vista), 1 GB de memória RAM (1,5 GB no Vista), placa de
vídeo GeForce 6800 GT ou Radeon 9800 Pro, 15 GB de espaço no HD

_________________
avatar
Bruno
Administrador
Administrador

Masculino Número de Mensagens : 1033
Idade : -12
Localização : sp
Emprego/lazer : Forum
Humor : Feliz
. :
Data de inscrição : 08/11/2008

http://www.orkut.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum